10 de jun de 2011

Historinha de cidade grande

Gabriel Oro
@orofeelings

-Passa o celular.

-O quê?

-Tu me ouviu cara, passa o celular!

-Eu não tenho celular.

-Claro que tem, eu te vi olhando a hora agora pouco.

-O quê? Ah, você quer dizer o meu... relógio. De bolso. Touchscreen.

-É o quê?

-Ah, você não conhece? Sério? É um relógio de bolso, tipo aqueles dos filmes antigos e tal, sabe. Só que é touch screen, por isso o seu engano, ele lembra mesmo um celular, agora tenho que ir.

-Nem vem que eu sei que era um celular...

-Quem me dera, quem tem dinheiro pra gastar com esses celulares chiques de hoje em dia, com a inflação e tudo aquilo...

-Porra cara, tu acha que eu sou burro?

-Posso responder isso outra hora? Tipo... quando você estiver sem a arma?

-Ok ok, já estou cansado disso!

-VOCÊ está cansado? E eu que estou há 20 minutos atrás de um maldito táxi!

-Chega!

-Mora onde?

-Zona su... peraí, não...

-Eu também, quer rachar a corrida?

-Se eu quero... cara, chega. Me dá o celular logo e me deixa ir embora de uma vez...

-Mas eu não..

-Claro que você tem celular! Todo mundo tem celular! Eu te vi olhando as horas 10 minutos atrás!

-Acho que não foram nem 5 minutos...

-Bom, pareceu muito mais pra mim...

-O que você quer dizer com isso?

-Nada, nada...

-Senti um tom sarcástico!

-Não, imagi... espera um pouco, não! Pela última vez, celular!

-Está bem, está bem.

-Há! Então admite que tem?

-Sim, tenho.

-Me dá!

-9976 8948.

-...

-...

-Me dá sua carteira.

-Minha o quê?


Nenhum comentário:

Postar um comentário